quarta-feira, 2 de maio de 2012

Espaço Retrô


 A Santa Cecília, além de todos os seus méritos, tem o privilégio de ter sediado entre os seus domínios o Espaço Retrô. Era uma das casas noturnas mais undergrounds da história da noite paulistana, isso quando a palavra "underground" ainda era restrita a uma pequena parcela de clubes obscuros, pessoas malditas e espeluncas.
 A casa que teve uma boa história e supriu todos os desejos dos fãs do The Cure. Se sustentou na Santa Cecília aos trancos e barrancos de 1988 até 1998, praticamente sem cobrar entrada. 
 Teve dois endereços no bairro, o primeiro na Rua Frederico Abranches, atrás da Igreja da Santa Cecília, onde hoje é um estacionamento com entrada pela Rua Dona Veridiana, o segundo abriu em 1995 na Rua Fortunato, onde hoje funciona uma serralheria. 
 Em sua primeira fase, fim dos anos 80 e começo dos 90, o Retrô era frequentado por góticos, rockabillies, metaleiros, punks, skatistas, guitars e outras espécies raras que já devem ter sido extintas, vinham de todas as partes da cidade, e frequentemente enfrentavam a desagradável aparição dos Carecas. Acho que não tem quem tenha ido ali e não tenha presenciado uma "treta". 
 Era um período de transição na cultura musical da cidade, uma época em que as tribos eram mais seccionadas e muito mais fiéis a seus movimentos. Hoje em dia vivemos num cenário heterogêneo, roqueiros frequentam a festa Santo Forte para ouvir música brega. Nos anos 80 e 90 não tinha isso não. Era uma época em que ser DJ não estava na moda, e por isso a programação do Espaço Retrô tinha os shows ao vivo como carro chefe da programação, com no mínimo um show por noite, de Quinta a Domingo. 
 Foi  berço de bandas importantes do rock underground  que surgiram na mesma época, como: Pin Ups, Ratos de Porão, Mickey Junkies, Soul of Honnor, Killing Chainsaw, Cold Turkey, Burn, Garage Fuzz, The Charts, The Kuhlmans (MZK), Againe, IML, P.U.S Anjo dos Becos, De Falla, Loop BYo Ho Delic, Volkana, Okotô e outras mil. A frequência também não deixava a desejar, Nick Cave, Jesus and Mary Chain e Peter Hook já foram fazer turismo por lá.  

 Na segunda fase, em 1995, após se mudar para a Rua Fortunato, o Espaço Retrô, que não abria mão do estilo decadente de ser, manteve a mesma proposta intensa de shows, mas desta vez contando com um casting maior de DJ's que apostavam na nova geração musical de rock americano dos anos 90 e traziam para a pista do Retrô o mais fino do guitar band e também rock anos 60 e 70. Os punks e rockbillies ficaram cada vez mais raros e os skatistas e mods agora representavam a maioria. 
 Roberto Cotrim, o proprietário fechou suas portas em 1998, deixando muitos órfãos que migraram para a Torre do Dr Zero, para o Madame Satã, Borracharia, Hangar, Matrix, Hells (na época no Columbia) e até pro Templo Hare Krishna na Av. Angélica. Parece que o Retrô reabriu em 2002, em 2004 e em 2010, mas não convém agora. Esse post vem apenas falar dos tempos áureos e desglamourizados do Retrô na nossa querida Santa Cecília!
 Quase tudo o que veio depois dele na cena underground é para beginners, quem sobreviveu sabe!







14 comentários:

  1. Simplesmente GENIAL!!!

    ResponderExcluir
  2. que saudade.. de tudo! dos muros pixados, dos garotos, do banheiro!Daqulea pista, palco da marofa.. e até da chinelada da minha mae que me esperava de pijama na portaria.. rs.

    ResponderExcluir
  3. Gohts ruleavam desde o início, embaixo de porrada ou não... afinal, guitars, goths e ebms, no início eram farinha do mesmo saco (o retrô)... Até hoje curto muita coisa destes "estilos", e como membro da old school, acredito que ser eclético é coisa de quem não tem identidade. Boa matéria... fui nos dois e o segundo era meio zuado... claustrofóbico... mas assim mesmo, curti muito ali.

    ResponderExcluir
  4. Engraçado - o teclado Yamaha que a moçoila do Two Witches está tocando nesse vídeo é meu (ainda está aqui na minha casa).

    ResponderExcluir
  5. Alguém estava presente no dia que caiu a lage do retrô da Fortunato, ali na parte de cima na salinha do telão e dos sofás?

    ResponderExcluir
  6. Aliás Alê, quando que a gente não estava né? kkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  7. Nostalgia total, quando vejo este lugar, vivi intensamente lá! Minha segunda casa

    ResponderExcluir
  8. Karacass!!!! Várias vezes eu dormi naquela escada que ia para parte debaixo do Retrô! Nostalgia na veia!!! A Banda Nocturne era do KCT!!

    ResponderExcluir
  9. Na Rua Frederico Abranches, teve uma vez Que teve um show da banda The fala e tinha que subir o telão para fazer o show de tão grande que era o espaço após o show tinha um anão que trabalhava La e foi baixar o telão para voltar a passar os vídeos o anão tinha que pular para puxar a corda do telão toda vez que o anão pulava o baterista do The fala dava uma rasteira no anão e o anão caia essa foi boa eu presenciei.

    ResponderExcluir
  10. Muitas batatas fritas!!!

    ResponderExcluir
  11. tenho muitas recordacao do retro. nos eramos os unicos 3 negros de la O TONINHO DJ O ALEXANDRE E EU PRIMO DO TONINHO e moravamos todos em guarulhos. POR ONDE ANDA O PQ?

    ResponderExcluir
  12. ME LEMBREI AGORA O DIA QUE O ROBERTO(BOM BAIANO)TOMOU 1TIRO DE 22 DE 1 MALDITO CARECA ,SORTE QUE NAO PEGOU EM PARTES VITAIS ALIAS POR ONDE ANDA O ROBERTO

    ResponderExcluir
  13. Que maravilha de post !!!
    Curti muito som bom lá na Frederico.
    Sair e ir embora com uma puta sol na cara era foda !
    kkk bons tempos !

    ResponderExcluir